Mule, chinelo ou rasteirinha? Entenda as principais diferenças entre os calçados favoritos dos dias quentes

Seja em looks de verão descontraídos, passeios na beira da praia ou em produções bem casuais, um bom sapato aberto é essencial em qualquer guarda-roupa, principalmente no nosso querido país tropical, que tem dias quentes até no inverno.

E na moda feminina existe uma variedade verdadeiramente imensa desses modelos de sapatos: com salto, sem salto, de tirinhas, meio abertos, totalmente abertos, em várias cores, materiais e estilos. Mas mesmo entre tantas opções, três modelos se destacam: o chinelo feminino, o sapato mule e a rasteirinha. Práticos, versáteis e muito lindos, eles são uma ótima opção para looks bem fresquinhos e muito confortáveis.

E não, eles não são a mesma coisa!

sapatos

Alguns modelos podem até ser muito parecidos, e acabam por confundir nossa cabeça, mas a gente promete: cada um deles é um modelo específico de sapato, com algumas diferenças essenciais que ajudam a distinguir um do outro.

Quer saber quais são essas diferenças e como combinar esses sapatos lindos para arrasar? Então vem com a gente que vamos te contar tudo!

 

Conforto e descontração: chinelo é cool

Popularizado principalmente através dos modelos de borracha que ganharam o mundo graças aos brasileiros, o chinelo feminino também existe em versões mais arrumadinhas, pensadas para serem usadas fora de casa e da praia.

Sua principal característica são as duas tiras em formato de V, que se encaixam entre os dois primeiros dedos dos pés, fixando o calçado, e a ausência de outras tiras de fixação – apesar de alguns modelos possuírem tiras decorativas. Ele não tem salto e é considerado um calçado totalmente casual e despojado.

 

Rainha do verão: a amada rasteirinha

Agora é que a confusão realmente começa a acontecer! A rasteirinha feminina, também chamada de sandália rasteira, é um sapato muito similar aos chinelos, principalmente os modelos mais “arrumadinhos”. Mas existem alguns detalhes que diferenciam esses dois tipos de calçados.

As rasteirinhas geralmente possuem uma ou mais tiras extras que ajudam a segurar o calçado aos pés, normalmente posicionadas na parte de trás do calçado. Apesar de não possuírem essa segurança extra, os modelos slide, ou seja, que o pé apenas se encaixa no sapato, também são considerados rasteirinhas, ao invés de chinelos.

Além disso, alguns modelos são mais decorados que os chinelos comuns, dando um toque extra de elegância ao sapato e fazendo com que ele seja um pouco mais adequado para ocasiões onde o chinelo talvez não fosse considerado.

 

Inspiração nobre: arrase com sapato mule

O sapato mule feminino é o modelo mais diferenciado entre esses três, mas por sempre aparecer tão próximo nas coleções de verão, acaba por participar um pouco da “confusão”.

Sua origem não é exatamente clara, mas a versão mais aceita é que os modelos atuais são evoluções de sapatos usados pela nobreza européia, principalmente dentro de seus aposentos. Ele é caracterizado principalmente pela falta de apoio traseiro, ou seja, é um sapato onde você só encaixa o pé e sai. 

Existem dois principais modelos atuais de mules: os que são totalmente fechados na frente, como se fossem sapatilhas pela metade, e os que lembram sandálias sem as tiras traseiras, com saltos baixos ou médios.

Agora que você já sabe um pouco melhor como diferenciar três dos sapatos mais legais dos dias quentes, conta para a gente aqui nos comentários qual é o seu favorito! E para mais dicas de moda incríveis, navegue pelo blog e leia mais posts.

Analice Gomes é Jornalista e redatora, sendo presente na área ha anos atuando em variso sites na Internet. Aqui ela é responsavel por varias seções de noticias sempre com seu toque especial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.